Fragmentado

Alguém dê um Oscar para James McAvoy!

SEM SPOILERS!

Fragmentado é um filme onde o personagem principal é apenas uma participação especial. O longa conta a história de Kevin (James McAvoy) e sua luta contra o Transtorno de Identidade Dissociativo (DID na sigla em inglês). Vinte e três personalidades co-habitam no corpo e na mente de Kevin, que só é visto realmente por alguns segundos.

As identidades brigam entre si pela luz, que é o termo usado para designar quem está no controle. Barry, a personalidade que gosta de moda e desenha roupas de grife, é o mais sentato de todos e decide quem ficará na luz e por quanto tempo.

Dennis e Patricia são controladores, dominantes e inclinados para a maldade. Devido a isso, foram banidos de tomar o controle sobre Kevin. Mas como você pode imaginar, nem tudo sai como o planejado. Dennis sequestra três garotas adolescentes e as coloca em cativeiro.

Uma das garotas, Casey (Anya Taylor-Joy) é o olhar do espectador, que aos poucos vai conhecendo as personalidades e entendendo o objetivo maior. A conexão dela com a história vem de um passado conturbado, que é mostrado a nós com flashbacks de sua infância. E tudo vai se encaixando …

Kevin conta com a ajuda da Dra. Karen Fletcher (Betty Buckley), uma psicóloga que acredita que as personalidades agem sobre o organismo do indivíduo, sendo possível que a mesma pessoa tenha condições físicas diferentes dependendo da identidade dominante.

Preste atenção aos detalhes

Até o começo do terceiro ato do filme eu tinha esquecido completamente que aquele era um filme de M. Night Shayamalan. O suspense está lá o tempo todo, não se engane. Mas ele vem disfarçado com um interesse e curiosidade tão grandes que é fácil esquecer que em algum momento do filme você vai sentir medo.

Aliás, temos várias cenas de alivio cômico! Não acredita?

Uma das personalidades é Hedwig, um garoto de nove anos. E James McAvoy está tão incrível neste papel que por alguns segundos você se esquece de que aquele é um cenário de sequestro.

Preste bastante atenção nas feições do McAvoy e na facilidade com que ele troca de personalidade durante uma conversa, por exemplo. Não é preciso anunciar qual das personalidades está no controle, você vai saber de cara.

A atuação da atriz que interpreta Casey também é excepcional. Você consegue se identificar com ela em vários momentos da história e ainda assim não entender o que se passa em sua mente.

Ignore os clichês

Claro, existem clichês. Nem todas as cenas são perfeitas e as falhas podem ser vistas no terceiro ato. Um recurso que poderia ter sido utilizado aqui por Shayamalan é o de esconder o elemento principal do filme.

Se você já viu Super 8 do J.J. Abrams consegue entender este conceito. O monstro do filme nunca é mostrado e isso é genial. A interpretação fica na cabeça do espectador. Claro, apples and oranges aqui. Não vá assistir achando que há um monstro alienígena em Fragmentado 🙂

E o final … ah o final! M. Night Shayamalan sabe o que está fazendo. Uma dica: assista a outros filmes do diretor antes de ir ao cinema, você não vai se arrepender.

Já reparou que em O Sexto Sentido (1999) sempre há um item de cor vermelha nas cenas nas quais há algo sobrenatural acontecendo? E em A Vila (2004) esta mesma cor é a cor proibida? É deste tipo de conexão que estou falando.

Nosso veredito é:

Nota: 9/10

Seja você fã de filmes de terror ou não, dê uma chance à Fragmentado. O tema do Transtorno de Identidade Dissociativo por si só já vale sua ida ao cinema, além da aula de atuação de James McAvoy.

É um filme que com certeza assistirei novamente, tomando nota de todos os detalhes que deixei passar.

Criadora do Yada Yada, produtora de conteúdo, youtuber, podcaster. Fã do mundo do entretenimento nerd desde adolescente, tem como hobbies os filmes, seriados, livros e jogos. Sempre perde a cabeça com as promoções da Steam e é especialista em ficar pistola a qualquer momento do dia.