Skip to content

Crítica Kong: A Ilha da Caveira (2017)

O rei está de volta: Kong está maior do que nunca!

SEM SPOILERS!

Quando me falam Kong me vem automaticamente três coisas na cabeça: a primeira é Donkey Kong, a segunda é a relação anormal entre uma mulher e um macaco gigante e a terceira é o filme infinito do King Kong com o Jack Black.

Destas três coisas somente Donkey Kong é um pensamento feliz pra mim. Eu disse isso por que acabei vendo Kong: A Ilha da Caveira na pré estreia feita pelo canal Jovem Nerd em parceria com a Warner Bros. Fui assistir sem muita expectativa pois sou meio suspeito a falar sobre filmes de monstros gigantes, mas esse é um ótimo blockbuster de monstro / macaco gigante.

All Hail The King

Kong: A Ilha da Caveira começa com a cena de dois caças de guerra abatidos em uma ilha durante a Segunda Guerra Mundial mas se passa integramente no período da Guerra do Vietnã. O diretor Jordan Vogt-Roberts consegue capturar isso de forma perfeita mostrando clips de jornais de noticia falando sobre o fim da guerra e a retirada dos EUA.

A premissa é que um grupo de cientistas descobrem uma ilha nas proximidades do Vietnã que nunca foi explorada antes devido a temporais constantes que a circulam. Um dos cientistas pede ajuda a um membro do governo americano para conseguir uma escolta para a missão.

O governo aprova o pedido e chama o esquadrão motherfucker, liderado por Preston Packard (Samuel L. Jackson) para levar e proteger os cientistas. O líder da equipe de cientistas Bill Randa (John Goodman), contrata os serviços do mercenário do serviço britânico James Conrad (Tom Hiddleston).

E por alguma razão aleatória ou puramente pela necessidade de uma “leading lady”, a fotógrafa Mason Weaver (Brie Larson) se junta à equipe e consigo ela leva o objeto mais surpreendente do que um macaco gigante ou um sobrevivente da Segunda Guerra Mundial em uma ilha desconhecida: a câmera!

Que tem rolo de filme infinito, sobrevive à queda de um helicóptero, ao ataque de animais gigantes, a tempestades de areia e submersão na agua. De que marca é essa câmera? Nokia? Desculpem, mas a ideia de uma câmera assim existir é mais surreal do que um macaco gigante para mim.

Do lado técnico

Ótima fotografia e uma trilha sonora incrível, com cenas saídas direto do filme Platoon. Kong também conta com um elenco marvelioso. Sim, eu disse marvelioso por que os quatro atores principais, atuam na Marvel Studios: Tom Hiddleston (Loki), Samuel L. Jackson (Nick Fury), Brie Larson (Captain Marvel) e John C. Reilly (Corpsman Dey).

Eu vou repetir por que é de extrema importância: as músicas são magnificas e só elas já valem o filme. Se liga na playlist:

The Chambers Brothers – Time Has Come Today
Minh Xuân – Mat Troi Den
Jefferson Airplane – White Rabbit
The Hollies – Long Cool Woman (In A Black Dress)
The Stooges – Down On The Street
Black Sabbath – Paranoid
Jorge Ben Jor – Brother
Creedence Clearwater Revival – Bad Moon Rising
David Bowie – Ziggy Stardust
Creedence Clearwater Revival – Run Through the Jungle
Vera Lynn – We’ll Meet Again

E o nosso veredito é …

NOTA: 6/10

Kong – A Ilha da Caveira é um blockbuster de ação sobre animais gigantes, mas diferente de Godzilla (2014) ou King Kong (2005) que eram bem parados, esse é um filme bem fluido de aproximadamente 2 horas e 30 minutos que vão passar exatamente nesse velocidade.

AH! E fique para a cena pós créditos: você não vai se arrepender!

Sabe aquele cara que no grupo de amigos sempre reclama e é escrotamente sarcástico? Então, como diria o Roberto Carlos, esse cara sou eu, e por alguma razão inexplicável as pessoas gostam de mim. Mas os seres humanos nunca fizeram sentido pra mim, então como diria o outro Roberto Carlos, bola pra frente.
Published inCINEMA