Quarteto Fantástico (2015)

Um quarteto nada fantástico.

COM SPOILERS!

Você se lembra da duologia do “Quarteto Fantástico” de 2005 e 2007? Caso se lembre dos filmes, você também deve recordar que nenhum deles era bom. Então prepare-se para a crítica do filme que faz os dois anteriores parecerem obras de arte em comparação. Esse pedaço de bosta foi dirigido por Josh Trank (inimigo número um de qualquer fã da equipe).

Eu sou muito fã dos heróis da Marvel e mesmo o Quarteto Fantástico não sendo meu grupo de heróis prediletos, ainda assim eles mereciam muito mais do que esse filme. Sabe o que eu acho interessante nisso tudo? Alguém deve ter feito uma pesquisa imensa sobre os HQs do Quarteto Fantástico para escrever esse roteiro, porque não há como alguém conseguir errar todas as informações sobre a equipe na sorte.

Doom!

Vamos lá, a premissa desse filme é a seguinte: um menino gênio de oito anos monta um portal interdimensional na garagem dos pais dele com pedaços e partes de eletrônicos encontrados em um ferro velho. Nesse mesmo ferro velho ele faz amizade com o filho do dono, que sofre bullying da própria família. É sério isso!

Anos passam e os dois continuam amigos. Eles se tornam parceiros de ciência ainda que o menino que sofria bullying não tenha conhecimento científico algum. O menino gênio (agora um adolescente) acaba sendo chamado para participar de um time de pesquisa sobre portais interdimensionais, no qual aparentemente várias das pessoas mais inteligentes da Terra não conseguem reproduzir o projeto de escola de um maldito garoto de oito anos!

O projeto acaba dando certo e os adolescentes encarregados do projeto, Reed Richards (Miles Teller), Johnny Storm (Michael B. Jordan), Sue Storm (Kate Mara), Victor Von Doom (Toby Kebbell) e Ben Grimm (Jamie Bell) (que não fazia parte do projeto até então), bebem demais e resolvem dar um rolê na outra dimensão. Afinal … why not?

Surpresa, surpresa! Tudo na dimensão desconhecida começa a explodir e Victor fica preso lá enquanto os outros conseguem voltar para o nosso mundo. Quando voltam, os quatro ganham super poderes devido às explosões loucas da dimensão e aí temos … o Quarteto “Fantástico”!

Em resumo, Victor volta da dimensão desconhecida com poder louco de telecinese, mata uma galera, volta pra dimensão maluca e os quatro vão atrás dele, claro. Rola uma luta de literalmente DOIS minutos e o mundo é salvo. Fim. Eu não estou sendo escroto, essa realmente é a história do filme.

As diferenças do Filme vs HQ
  • Nos HQs Reed não constrói um portal interdimensional aos oito anos de idade. Ele constrói um somente quando é bem mais velho;
  • Reed e Ben não se conhecem na infância e sim durante a faculdade onde Reed era o menino gênio e Ben era a estrela do time de futebol americano;
  • Johnny não é negro: ele é branco, loiro e de olhos claros, devido a esse equivoco, o filme se distancia mais uma vez dos HQs. Agora ele e Sue são irmão adotivos, e não irmão de sangue;
  • Eles não ganham seus poderes em uma dimensão desconhecida e sim durante uma missão no espaço quando são atingidos por uma tempestade cósmica;
  • Vitor Von Doom não é um hacker;
  • O poder do Dr. Doom não é e nunca foi telecinese. Ele tem o poder de manipulação de energia e gadgets loucos;
Erros extras
  • A roupa do Dr. Doom nesse filme estava ridícula. O capacete parecia um penico amassado na cara dele. Como alguém na FOX viu aquilo e falou “É aceitável esse Dr. Doom, continue as filmagens!”;
  • O Dr. Doom estava tão mal retratado que inicialmente o nome do personagem seria Victor Domashev, mas perceberem que ninguém conseguiria ligar os pontos que ele era o vilão Dr. Doom. Devido a isso ele teve seu nome mudado para o original das HQs;
  • A atuação de todas as pessoas neste filme. É sério, parece que todos os atores tiveram aula de atuação com a Kristen Stewart porque ninguém lá tem reação alguma a nada.
E o nosso veredito é …

NOTA: 0/10

Sim, esse é o primeiro filme para o qual damos a menor nota existente (por mim eu colocaria nota -8, mas a chefia não permitiu), mas quem pode nos culpar por isso? Essa foi até hoje uma das piores adaptações de HQ já feitas por Hollywood. Eu graça a Deus não paguei para ver esse filme no cinema, mas eu gastei minha banda-larga fazendo streaming pelo Netflix e devido a isso me sinto roubado!

Criadora do Yada Yada, produtora de conteúdo, youtuber, podcaster. Fã do mundo do entretenimento nerd desde adolescente, tem como hobbies os filmes, seriados, livros e jogos. Sempre perde a cabeça com as promoções da Steam e é especialista em ficar pistola a qualquer momento do dia.